A METADE DA LARANJA: O MITO

O mito da metade da laranja tem raízes antigas na cultura ocidental e está fortemente associado à ideia de amor romântico. Acreditar que existe uma “outra metade” destinada a nos completar tem influenciado a maneira como percebemos os relacionamentos e a busca pela felicidade ao longo da história.

No diálogo “O Banquete” de Platão, diversos filósofos discutem a natureza do amor. O mito da metade da laranja é apresentado por Aristófanes, um famoso comediante grego, como uma história que explica a origem das almas gêmeas. Segundo Aristófanes, os seres humanos originalmente eram seres completos, com quatro braços, quatro pernas e duas cabeças. Porém, devido a sua arrogância, foram divididos ao meio pelos deuses, condenados a passar a vida em busca de sua “outra metade” perdida, ou seja, a metade da laranja.

Livro: Dependência Emocional – Vencendo a insegurança e o ciúmes.

Essa narrativa mitológica desempenha um papel fundamental na construção da idealização do amor romântico, onde a ideia de encontrar a pessoa certa para ser feliz é central. No entanto, é importante notar que essa crença também pode gerar expectativas irreais nos relacionamentos. A realidade dos relacionamentos é complexa, e as pessoas são seres individuais com características e desejos únicos.

Além disso, a noção de que somos seres incompletos até encontrarmos nossa “outra metade” pode ser prejudicial. Em vez de depender inteiramente de outra pessoa para nossa felicidade, é importante desenvolver um senso de autoestima e bem-estar independentes. Os relacionamentos devem ser vistos como parcerias em que duas pessoas se apoiam mutuamente, crescem juntas e compartilham experiências, em vez de dependerem uma da outra para serem “completas”.

ENTENDA E PERCA SEU MEDO
Ansiedade e pânico de um modo que você entende

Portanto, embora o mito da metade da laranja seja uma parte interessante da história da filosofia e da cultura ocidental, é importante abordar o amor e os relacionamentos com realismo e compreensão, valorizando a individualidade e a parceria em igual medida. A busca pela felicidade não deve depender da ideia de encontrar a metade perdida, mas sim da jornada de autodescoberta e crescimento pessoal.
Leias também:
“O QUE LHE TRAZ AQUI HOJE?”



Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *